Pages

RETICÊNCIAS


Pressinto ensanguentado aquela cena
Não sei que tempo abriga, se termina,
Se faço uma oração, ou um poema
Que exista enquanto a lua me ilumina.


Escrevo-me habitando os versos poucos,
Pausando-me ao compasso de tormentos,
Se abrem-se as aspas, versos loucos
Assopram-me vestígios macilentos.


Assim, de letra em letra, me acorrento,
Se vejo-me palavra solto ao vento
Desejos em versinhos como essências...


Não restam conclusões, nenhuma aposta,
Sou texto que se fecha sem resposta
Meu sonho te perdeu nas reticências.

Emerson Batista

Nenhum comentário:

Instagram